ISSN

O ISSN - Número Internacional Normalizado para Publicações Seriadas (International Standard Serial Number) é o identificador aceito internacionalmente para individualizar o título de uma publicação seriada, tornando-o único e definitivo. Seu uso é definido pela norma técnica internacional da International Standards Organization ISO 3297.

O ISSN é operacionalizado por uma rede internacional, e no Brasil o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - IBICT atua como Centro Nacional dessa rede.

O ISSN identifica o título de uma publicação seriada em circulação, futura (pré-publicação) e encerrada, em qualquer idioma ou suporte físico utilizado (impresso, on-line, CD-ROM etc).

O ISSN é composto por oito dígitos, incluindo o dígito verificador, e é representado em dois grupos de quatro dígitos cada um, ligados por hífen, precedido sempre por um espaço e a sigla ISSN.

ISSN são atribuídos desde a década de 1970 e universalmente aceito na edição impressa como um meio de identificar as publicações seriadas. Mudanças nas práticas editoriais ligadas ao desenvolvimento da Internet levaram o ISSN a evoluir e expandir o seu âmbito de aplicação.

 

Regras de Aplicação

  • Quando uma publicação é editada em diferentes meios físicos, com o mesmo título ou não, diferentes números ISSN devem ser atribuídos.

  • No caso em que há mudança no meio físico da publicação (por exemplo, uma publicação impressa torna-se uma publicação on-line), um novo ISSN é atribuído.

  • No entanto, o mesmo ISSN pode ser utilizado para diferentes formatos de arquivo (ASCII, PostScript, Hipertexto, PDF) da mesma publicação on-line.

  • O mesmo se aplica a uma publicação com múltiplas formas física (por exemplo, uma publicação impressa com um CD-ROM incluído ou uma gravação de vídeo) só será atribuído um ISSN.

 

Não será atribuído ISSN:

  • Para Web sites comerciais, páginas pessoais na web, páginas da Web que contenham apenas links para outras URLs.

  • Para Weblogs pessoais.

 

Publicação Seriada

  • Publicação que utiliza qualquer tipo de suporte, editada em partes sucessivas com designações numéricas e/ou cronológicas e destinadas a ser continuada indefinidamente. São exemplos de publicações seriadas: periódico, jornais, publicações anuais (relatórios, anuários etc), revistas, memórias e monografias seriadas.

  • Nota: Não confundir publicação seriada com “coleção” ou “série editorial”, que são recursos criados pelos editores ou pelas instituições responsáveis para reunir conjuntos específicos de obras que recebem o mesmo tratamento gráfico-editorial (formato, características visuais e tipográficas, entre outras) e/ou que mantêm correspondência temática entre si. Uma coleção ou série editorial pode reunir monografias (por ex.: coleção primeiros passos, série nossos clássicos, série literatura brasileira, série relatórios, grandes autores, coleção passatempo, coleção arte de bordar, coleção artesanato, coleção como fazer etc) ou constituir publicação editada em partes, com o objetivo de formar futuramente uma coleção completa (por ex.: série século XX, série Bom Apetite, entre outras).

 

Periódico

  • Tipo de publicação seriada, normalmente publicada com frequência previamente definida, em fascículos sucessivos, caracterizada pela variedade de conteúdo e de colaboradores. São publicações de conteúdo técnico-cientifíco com informações baseadas em resultados experimentais podendo conter informações e/ou observações de cunho científico ou de divulgação emitindo opiniões que se apresentam sob a forma de revista, boletim, anuário etc.

 

Monografia seriada

  • Conjunto de obras ou documentos independentes que, além de terem seus próprios títulos, relacionam-se entre si mediante um título comum numerado. São publicações de conteúdo técnico que apresentam informações e recomendações de caráter prático devidamente validadas e resultantes de atividades de pesquisa e desenvolvimento. Cada um dos itens pode estar numerado ou não.